Ano Mariano
2016-2017
As 7 lições de liderança do Papa Francisco

 

Muito além da religião, Francisco nos trouxe uma nova perspectiva de liderança, mostrando a cada dia com suas palavras e...

Leia mais...
Semana Santa

Jo 9, 1-41 “Eu sou a luz do mundo”

Continuando a série de leituras evangélicas que procuram ensinar verdades sobre a pessoa e a missão de Jesus durante a Quaresma, o texto de hoje é novamente um texto comprido, um capitulo inteiro, tirado do Evangelho de João. Como no Domingo passado (a Samaritana), encontramos novamente traços característicos do Quarto Evangelho – o uso de dualismo, como luz/escuridão, cegueira/visão, de símbolos, de ironia e de mal-entendidos. Tudo para proclamar a fé da comunidade joanina que Jesus era “a luz do mundo” (v.5). O texto nos traz o único relato no Novo Testamento da cura de um cego declaradamente de nascença. Sto. Agostinho via na cegueira uma referência ao pecado original, e na passagem da cegueira à visão, o símbolo da passagem da incredulidade e da morte à fé e à vida. Assim, o cego curado simbolizaria todos os que chegam à plenitude da fé pelo batismo. Usando a sua característica de jogo de palavras, o autor do Quarto Evangelho enfatiza o nome da piscina onde ocorre a cura – Silóe, que significa “enviado”. Em mais uma alusão à liturgia batismal, João insiste que a cura da cegueira mortal ocorre através de Jesus – O Enviado do Pai. Na arte das catacumbas, a cura do cego simboliza o batismo. Analisando as etapas da história, podemos encontrar uma progressão na fé do cego, através de três interrogatórios.

Ele é interrogado pelos vizinhos (vv. 8-12), pelos fariseus (vv. 13-34) e pelo próprio Jesus (vv. 35-41). A cada passo ele aprofunda o seu conhecimento de Jesus. Aos vizinhos ele responde que Jesus é simplesmente um homem. Diante dos fariseus, ele reconhece que Jesus é um profeta. No diálogo com Jesus ele chega a proclamar que Jesus é o Filho do Homem, a grande figura messiânica do Livro de Daniel e do livro apócrifo de Enoc, o enviado de Deus. A história reflete algo da situação da comunidade joanina pelo fim do primeiro século. Na verdade, no tempo de Jesus, ninguém era expulso da comunidade judaica por acreditar no seu messianismo. Isso acontecia após 85 a.C. com a reconstituição do judaísmo após a destruição de Jerusalém através do esforço feito por um grupo de doutores de Lei para reorganizar o povo através da fidelidade à Lei e à sua interpretação farisaica. Por isso, a confissão da sua fé em Jesus custa ao curado a perseguição e a expulsão, situação vivida pela comunidade joanina. Mas, se custou a expulsão da comunidade judaica, também lhe trouxe a verdadeira luz da vida, a vida plena em Jesus. O último parágrafo usa a ironia, tipicamente joanina. Os fariseus perguntam cinicamente a Jesus, se ele os considera cegos. Ele retruca que a situação deles é muito pior – não é que não possam ver, é que não querem ver! A história iniciou-se com uma declaração, contrariando opiniões de muitos mestres da Lei daquela época, que a cegueira física não é causada pelo pecado (v.3). Termina afirmando que a cegueira pior, a espiritual, realmente é consequência do pecado. A missão de Jesus no mundo causa uma inversão de situações: os que estão cegos, mas que chegam à fé, são curados e recebem a revelação da Luz do mundo, enquanto aqueles que se ufanam de ser os esclarecidos se fecham nos seus sistemas religiosos e ideológicos, mergulhando-se cada vez mais na trevas e na perdição. Quanta cegueira em nosso mundo, diante de situações cada vez mais gritantes da exclusão e sofrimento! Basta ver a nossa indiferença diante da situação do nosso planeta, sendo lentamente destruído e nome de um pretenso progresso, tema tocado este ano pela Campanha de Fraternidade, que na verdade não é mais do que a busca desenfreada de lucro para uma elite. Como podemos continuar a ignorar o escândalo do tráfico humano em todos os sentidos?. Quantas vezes a fé em Jesus é proclamada como se fosse somente uma série de dogmas, em lugar do seguimento daquele que é “Luz do mundo”. O nosso encontro com O Enviado tem que iluminar os olhos da nossa mente e espírito, para que vejamos o mundo com os olhos de Jesus, e tornemos a nossa fé uma vivência da mística do seguimento dele, continuando a missão de Jesus que disse “enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo”.

Tomaz Hughes SVD
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Mensagem de Páscoa

15-04-2017 Notícias da congregação

Cristo soube conduzir as pessoas, conquistando seus seguidores e escrevendo uma bela história. Cristo tornou a vida possível, propagando o amor, o perdão e o compartilhar entre os irmãos. Pelo batismo e pela fé, temos a certeza de que ele está vivo, e caminha à nossa frente e nos mostra o caminho para segui-lo. Que Ele, o Ressuscitado, seja para...

Leia Mais

Curso de Espiritualidade Bíblica no Amazonas

14-04-2017 Notícias da congregação

O nosso assessor Luiz Catapan organizou um curso de Espiritualidade Bíblica para os jovens da catedral de São Gabriel da Cachoeira, AM, com o incentivo e a presença do bispo Edson. O grupo refletiu e dialogou com Jesus de Nazaré, segundo o Evangelho de Mateus...

Leia Mais

Semana Santa, tempo de reflexão

02-04-2017 Notícias da Igreja

Estamos no tempo oportuno para refletirmos a nossa vida e nos determinar a morrer para o pecado, assumindo uma vida nova em Cristo. “Nestes dias do Tríduo Sagrado, não nos limitemos a celebrar a Paixão do Senhor, mas entremos no mistério, façamos nossos os Seus sentimentos e as Suas atitudes. Assim, a nossa Páscoa será feliz” (Papa Francisco).

Leia Mais