Mc 6, 7-13

“Dava-lhes poder sobre os espíritos maus”

            Esses versículos dão início ao terceiro e último bloco da primeira parte do Evangelho de Marcos (6, 6b-8, 21) que podemos intitular “a cegueira dos discípulos”. É a continuidade dos primeiros dois blocos que tratavam da cegueira das autoridades e dos parentes de Jesus. O nosso texto trata da missão dos discípulos. Vale a pena examinar mais de perto as frases que Marcos usa.

            O primeiro elemento é que a missão de Jesus, o de construir o Reino de Deus, continua na missão dos discípulos. A base da missão é o compromisso com Jesus e o seu projeto. Em nossos termos hoje, cumpre lembrar que a origem da missão está no nosso batismo. Todos somos Discípulos-Missionários. Se somos clero, religiosos ou leigos é secundário. A missão comum vem do batismo comum de todos nós. A maneira de vivenciarmos a missão pode ser diferente e variar mas a missão é fundamentalmente igual.

            Ele os enviou dois a dois. Uma maneira bonita de mostrar que a missão cristã é comunitária! Não existe um cristianismo individualista. A nossa fé tem consequências profundas comunitárias. Um alerta para que não caiamos na tentação de criarmos uma religião individualista e intimista, tão comum no nosso mundo de competitividade e pós-modernidade.

            Jesus dava-lhes poder sobre os espíritos imundos! Claro, aqui se expressa uma realidade importante nos termos da cosmovisão da época. “Espíritos imundos” significam tudo que pudesse se opor ao Reino. Tudo cujos valores fossem diferentes do Reino. Infelizmente, ainda hoje, muitos interpretam essas palavras ao pé da letra, e criam uma religião que sataniza e demoniza quase tudo, uma religião de exorcismos e diabos - mas sempre no nível intimista e individual. Devemos nos perguntar - quais os espíritos imundos em nós, nas nossas comunidades, na nossa sociedade, que precisam ser expulsos? Não é difícil achá-los: tudo que se opõe à vida, à dignidade humana, à justiça e à solidariedade. Onde se vive o Evangelho, não há lugar para o espírito de individualismo, de competitividade, de exclusão, que é característica da nossa sociedade neoliberal, nossa sociedade de morte! O cristão não pode compactuar com tal sociedade e com as suas estruturas. As nossas celebrações não são para nos refugiarmos nelas, mas para nos fortalecermos no esforço da criação de um mundo novo e diferente, pela utopia de Jesus! Por isso, em primeiro lugar, os discípulos tinham que se libertar do espírito de acúmulo - não levar coisas, como sinal da chegada do Reino. Em nosso caso, teríamos que examinar se, mesmo sem notar, não estamos vivendo o espírito de consumismo e materialismo, e acumulação e supérfluo, que marca a ideologia na sociedade hoje.

            Jsus os adverte que nem todos iriam acolher a sua mensagem - pois a mensagem de Jesus necessariamente entra em conflito com o espírito do egoísmo, enraizado na sociedade. Vale para os nossos tempos - uma Igreja comprometida com os valores do Evangelho será uma Igreja rejeitada pelos poderes desse mundo. Quando somos bem aceitos por todos, é porque não questionamos, porque perdemos a nossa voz profética! A Igreja verdadeira suscita mártires (literalmente, testemunhas) e não acomodados! Que alegria celebrar há pouco a beatificação de Dom Oscar Romero e testemunhar o início dos processos de beatificação de Dom Helder Câmara e Dom Luciano Mendes de Almeida, arautos e testemunhas da vida que Deus almeja.

            O nosso texto nos convida a um exame de consciência sobre a “missionariedade” da nossa vida. A minha vida, a da minha comunidade, se resumem na vivência interna das estruturas da Igreja, ou nos levam a ser testemunha no meio da sociedade, profetizando e demonstrando a chegada do Reino, não tanto pelas palavras, mas pelos valores que vivencio? Uma Igreja que não seja missionária (que não significa ser prosélita) é uma Igreja morta. Lembremo-nos que, pelo batismo, somos todos discípulos-missionários/as, continuadores da missão de Jesus!

+ Tomaz Hughes SVD

Agosto: mês de rezar por todas as vocações na construção de uma cultura vocacional

04-08-2018 Notícias da Igreja

Tema:    “Seguir Jesus a luz da fé”  Lema: “Sei em quem acreditei” (2Tm 2,12).  A Igreja no Brasil celebra todos os anos durante o mês de agosto, o Mês Vocacional e os quatro domingos já contam com sugestões de oração, que foram elaboradas pela Pastoral Vocacional do Brasil em parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Este ano...

Leia Mais

5º Congresso Missionário Americano (CAM 5)

26-07-2018 Notícias da Igreja

“Devemos, como Igreja, ter um reconhecimento institucional da mulher por sua presença, por seu amor”  O presidente das Pontifícias Obras Missionárias da Bolívia e coordenador geral do 5º Congresso Missionário Americano (CAM 5), dom Eugenio Scarpellini, fez uma avaliação geral do congresso na última coletiva de imprensa concedida nesta sexta-feira, 13, aos jornalistas da imprensa católica que cobriram os cinco dias...

Leia Mais

Logotipo do Sínodo da Amazônia é divulgado

26-07-2018 Notícias da Igreja

Criação é do artista baiano Aurélio Fred  Durante a apresentação do Documento Preparatório do Sìnodo da Amazônia, a REPAM- Brasil, divulgou o logotipo do evento. A criação é do artista baiano Aurélio Fred, do Ateliê 15. Arte elaborada no Brasil e aprovada para uso na Amazônia    “A base para a logo é uma folha, que nos aponta para toda a biodiversidade presente na...

Leia Mais