"Porta Estreita"

1ª Leitura: Is 66,18-21 - "E reconduzirão, de toda a parte, vossos irmãos."
 
     Leitura do Livro do Profeta Isaías
     Assim diz o Senhor: 18Eu que conheço suas obras e seus pensamentos, virei para reunir todos os povos e línguas; eles virão e verão minha glória. 19Porei no meio deles um sinal, e enviarei, dentre os que foram salvos, mensageiros para os povos de Tarsis, Fut, Lud, Mosoc, Ros, Tubal e Javã, para as terras distantes, e, para aquelas que ainda não ouviram falar em mim e não viram minha glória. Esses enviados anunciarão às nações minha glória, 20e reconduzirão, de toda parte, até meu santo monte em Jerusalém, como oferenda ao Senhor, irmãos vossos, a cavalo, em carros e liteiras, montados em mulas e dromedários, - diz o Senhor - e como os filhos de Israel, levarão sua oferenda em vasos purificados para a casa do Senhor. 21Escolherei dentre eles alguns para serem sacerdotes e levitas, diz o Senhor.
     Palavra do Senhor.
 
Salmo Responsorial: Sl 116(117),1-2 (R/.Mc16,15)
 
     R. Proclamai o Evangelho a toda criatura!

     Ou: Aleluia, Aleluia, Aleluia.

      1Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes,*
      povos todos, festejai-o! R.

        2Pois comprovado é seu amor para conosco,*
        para sempre ele é fiel! R.
 
2ª Leitura: Hb 12,5-7.11-13 - "O Senhor corrige a quem ele ama."
 
     Leitura da Carta aos Hebreus.
     Irmãos: 5Já esquecestes as palavras de encorajamento que vos foram dirigidas como a filhos: 'Meu filho, não desprezes a educação do Senhor, não te desanimes quando ele te repreende; 6pois o Senhor corrige a quem ele ama e castiga a quem aceita como filho'. 7É para a vossa educação que sofreis, e é como filhos que Deus vos trata. Pois qual é o filho a quem o pai não corrige? 11No momento mesmo, nenhuma correção parece alegrar, mas causa dor. Depois, porém, produz um fruto de paz e de justiça para aqueles que nela foram exercitados. 12Portanto, 'firmai as mãos cansadas e os joelhos enfraquecidos; 13acertai os passos dos vossos pés', para que não se extravie o que é manco, mas antes seja curado.
     Palavra do Senhor.
 
EVANGELHO: Lc 13,22-30 - "Virão do oriente e do ocidente, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus."

     + Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
     Naquele tempo: 22Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo o caminho para Jerusalém. 23Alguém lhe perguntou: 'Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?' Jesus respondeu: 24'Fazei todo esforço possível para entrar pela porta estreita. Porque eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. 25Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: `Senhor, abre-nos a porta!' Ele responderá: `Não sei de onde sois.' 26Então começareis a dizer: `Nós comemos e bebemos diante de ti, e tu ensinaste em nossas praças!' 27Ele, porém, responderá: `Não sei de onde sois. Afastai-vos de mim todos vós que praticais a injustiça!' 28Ali haverá choro e ranger de dentes,  quando virdes Abraão, Isaac e Jacó, junto com todos os profetas no Reino de Deus, e vós, porém, sendo lançados fora. 29Virão homens do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. 30E assim há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos.'
     Palavra da Salvação.
 
 
 

Lucas 13, 22-31 - “É verdade que são poucos os que se salvam?”
Jesus continua a sua caminhada em direção à Jerusalém, e no caminho, prossegue ensinando os seus discípulos. O debate agora é sobre uma questão que sempre intrigava os cristãos - e também os de outras crenças: “É verdade que são poucos aqueles que se salvam?” (v. 23).

Durante muito tempo, o assunto de muitas pregações nas igrejas era a condenação. Falava-se muito mais em pecado do que na graça, no diabo do que em Jesus, do inferno do que no céu ou no projeto de Jesus para este mundo. Infelizmente, especialmente nos ambientes fundamentalistas, tanto católicos como protestantes, essa tendência volta a vigorar. É só assistir certos programas de TV e rádio! Neste trecho Jesus nos ensina como enfrentar esta questão!
Chama a atenção que Jesus não responde à pergunta. Ele não indica se são muitos os que se salvam, ou não. A preocupação d’Ele é que as pessoas vivam de acordo com o projeto de Deus. Nisso encontrarão a salvação. Por isso, ele desvia a atenção do ouvinte da questão do “além morte” para que volte à vivência prática da fé. O conselho d’Ele é claro: “Façam todo o esforço possível para entrar pela porta estreita” (v. 24). Resta perguntar - em que consiste esta “porta estreita?”   O texto nos dá a resposta: “Ele responderá: “Não sei de onde são vocês. Afastem-se de mim todos vocês que praticam a injustiça” (v. 27) Interessante que Deus afastará os que praticam a injustiça - não fala daqueles que têm fraquezas humanas, que têm uma fé diferente, que ignoram as verdades da teologia - ou seja, se preocupa com a prática da injustiça. Pois o seguimento de Jesus é basicamente isso, o amor prático, que se manifesta na justiça. Sem esta prática, simplesmente a fé é vã! A “porta estreita” é a prática da justiça!
Jesus adverte que talvez não sejam os que conhecem a sua mensagem que irão herdar o Reino. Pois o critério do julgamento não será o conhecimento teórico do evangelho, mas a sua vivência concreta na justiça, conforme ele diz: “Muita gente virá do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus” (v. 29)
Diante do fechamento do judaísmo farisaico, com a sua religião nacionalista, Jesus abre perspectivas ecumênicas - a salvação não se restringe aos que faziam parte oficialmente do Povo de Deus! Virão pessoas do mundo todo - as pessoas que, mesmo sem conhecer a Bíblia - viviam a luta pela justiça!
É impossível, no nosso mundo de exclusão, fugir da questão da justiça. A Conferência de Santo Domingo, seguindo as de Medellin e Puebla, já perguntou como era possível que as piores injustiças do mundo se dão exatamente no continente nosso, que se diz cristão! A Conferência de Aparecida continuou com essa preocupação. Como é possível que nos países oficialmente católicos há tantos rostos do Cristo crucificado? Não é possível ser cristão sem lutar em favor das pessoas com “rostos desfigurados pela fome, rostos desiludidos pelas promessas políticas, rostos humilhados de quem vê desprezada a própria cultura, rostos assustados pela violência cotidiana e indiscriminada, rostos angustiados de menores, rostos de mulheres ofendidas e humilhadas, rostos cansados de migrantes sem um digno acolhimento, rostos de idosos sem as mínimas condições para uma vida digna” (João Paulo II, Vita Consecrata nº 76).
Não devemos medir o nosso cristianismo e a pujança da nossa fé pelos belos edifícios e imponentes matrizes, nem pelas belas celebrações e concentrações nas grandes ocasiões, por tão válidas e até importantes que possam ser. Meçamos a nossa fé, a nossa adesão ao Reino pelo nosso empenho em prol dos empobrecidos, pelos injustiçados, não nos limitando a uma ação meramente assistencialista (por tão imprescindível que tais ações sejam), mas também nos engajando na luta pela mudança estrutural de uma sociedade cujo projeto de vida - o neo-liberalismo selvagem - nada mais é do que um projeto de morte, e portanto anti-evangélico e pecaminoso.
É mister unirmos as nossas forças às das pessoas de boa vontade de todas as crenças e de nenhuma, para que em parceria defendamos a vida ameaçada na sociedade moderna. Aprendamos de Jesus neste trecho - ele não permite que os seus interlocutores fiquem olhando somente para o que acontecerá depois da morte, lá no além, mas insiste que olhem para a vida cotidiana, com as suas exigências em favor dos oprimidos.    O grande teólogo dominicano sul-africano, Albert Nolan, tocou nessa questão quando escreveu no seu livro “Jesus Antes do Cristianismo”: “De um modo geral, quer nos denominemos cristãos, quer não, não costumamos tomar Jesus a sério.  Existem notáveis exceções, mas, habitualmente, nós não amamos os nossos inimigos, não damos a outra face, não perdoamos setenta vezes sete, não abençoamos quem nos insultam, não partilhamos aquilo que temos com os pobres nem colocamos toda a nossa esperança em Deus”....“Jesus tem sido mais frequentemente honrado e venerado por aquilo que ele não significou, do que por aquilo que ele realmente significou.  A suprema ironia é que algumas das coisas, às quais ele mais fortemente se opôs na sua época, foram ressuscitadas, pregadas e difundidas mais amplamente através do mundo – em seu nome.”(Nolan – Jesus antes do Cristianismo p. 15)
Ressoa uma advertência para nós que somos frequentadores das Igrejas, que conhecemos os ensinamentos do Evangelho, e que talvez caiamos na tentação de um certo elitismo religioso: “Vejam: há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos” (v. 30). Ser primeiro ou último, acolhido ou afastado, depende em primeiro lugar do nosso empenho pela justiça!

 +Tomaz Hughes SVD
 
 

Paróquias em São Paulo se reúnem para estudar Sínodo para a Amazônia e programar ações concretas

16-09-2019 Notícias da congregação

Um número de 50 pessoas entre leigos e religiosos de diversas regiões e dez paroquias de São Paulo reuniu-se no Centro Cultural Missionário Santíssima Trindade em São Paulo para um estudo do instrumento de trabalho sobre o Sínodo para a Amazônia. O encontro foi convocado pela Vivat Brasil, um ramo de Vivat Internacional, que é uma rede formada por 14...

Leia Mais

Ordenação Diaconal na Paróquia Santo Arnaldo Janssen em Diadema (24/08/2019)

28-08-2019 Notícias da congregação

No dia 24 de agosto de 2019, na Matriz da Paróquia verbita Santo Arnaldo Janssen em Diadema, às 19 horas começou a ordenação diaconal de três jovens verbitas: Gêverson Marcelo de Oliveira, Jwakim Ekka e Ronaldo Alves Oliveira. Eles receberam o primeiro grau da ordenação sacerdotal pela imposição das mãos de Dom Pedro Carlos Cipollini, bispo diocesano de Santo André-SP...

Leia Mais

Intenção do Papa Francisco para o mês de SETEMBRO de 2019

22-08-2019 Notícias da Igreja

A proteção dos oceanos (Pela Evangelização) Para que os políticos, os cientistas e os economistas trabalhem juntos pela proteção dos mares e dos oceanos. Reflexão CUIDAR DA NOSSA CASA - O mês de setembro inicia com a Jornada Mundial de Oração pelo cuidado da Criação, instituída pelo Papa Francisco. A celebração deste dia é uma chamada de atenção a todos pela necessidade urgente...

Leia Mais